Cromoterapia

A cromoterapia utiliza a freqüência vibracional das cores para restaurar o equilíbrio físico, mental, emocional e energético.

Pode ser aplicada de diversas maneiras: desde a utilização de cores específicas em ambientes e roupas; até o uso de luzes coloridas incidindo diretamente sobre o corpo, através da cromopuntura ou dos chakras (centros de energia do corpo).

Não é preciso estar sofrendo de uma doença para recorrer à cromoterapia. Se sentir nervosa ou emocionalmente instável já é suficiente para justificar a busca da terapia através das cores. Isto porque o objetivo da cromoterapia é restaurar não só o equilíbrio físico, mas também – e principalmente – o equilíbrio mental, emocional e energético.

Reequilíbrio dos Chakras

Consiste na técnica de aplicação de cores específicas para reequilíbrio dos chakras (centros de energia do corpo que se relacionam aos órgãos, funções e emoções). 

155738_478414808898760_718122665_n

Cromopuntura

Agora você já conhece a cromoterapia. Também já ouviu falar na a acupuntura, método milenar chinês em que agulhas são espetadas em pontos estratégicos do corpo com a finalidade de obter um bom efeito terapêutico. Junte as duas e eis que surge a cromopuntura, terapia desenvolvida na Alemanha, na década de 1970 pelo médico naturopata Peter Mandel.

A cromopuntura é uma terapia caracterizada por feixes de luz aplicados em pontos específicos do corpo, os mesmo utilizados na acupuntura e outros descobertos por Peter Mandel. A aplicação desses feixes de luzes é realizada através de um pequeno aparelho, que se parece com uma lanterna. Na ponta desse aparelho se encontra um cristal, de onde emana a cor e a luz direto ao ponto encontrado no corpo.

Reflexologia

Cada área ou função do corpo é representada por um ponto reflexo correspondente nas extremidades, principalmente os pés, que contêm feixes de terminais nervosos ultra-sensíveis. Ao estimular esses pontos, a reflexologia liberta a tensão, elimina bloqueios e ajuda o corpo a combater inúmeras disfunções. Compreender que os pés são um “mapa” do corpo inteiro é fundamental para a reflexologia.

Os pés refletem por inteiro nosso estado de saúde. Dotados de 26 ossos, 100 ligamentos, 20 músculos e uma intricada rede de nervos e vasos sanguíneos, os pés podem nos fornecer abundante informação sobre nossa saúde física, metal e emocional.

Do mesmo modo, a forma como tratamos nossos pés influencia não apenas o seu próprio desempenho como o funcionamento geral do corpo e da mente.

Trabalhando nos pontos reflexos dos pés, é possível estimular, por intermédio dos canais nervosos, qualquer órgão, função ou parte do corpo que esteja tensa, congestionada ou comprometida. Se eliminarmos a tensão, ajudamos o sistema a desvencilhar-se de toxinas quando necessário, reduzimos a dor e estimulamos o corpo a curar-se por si mesmo.

A pressão, aplicada nos pontos reflexos sensíveis dos pés, constitui um estímulo, que funciona como agente ou fator capaz de suscitar uma reação nos tecidos e induzir uma reação fisiológica.

Na reflexologia o estímulo, por contato ou pressão, desencadeia um impulso eletroquímico que altera os processos nervosos, transmitindo uma mensagem por meio das fibras nervosas. Os impulsos nervosos podem viajar a uma velocidade média de 435 km por hora. Pode-se dizer que o nosso corpo é, basicamente, uma usina eletroquímica em funcionamento dia e noite.

Pontos reflexos também são encontrados em outras extremidades do corpo: por exemplo, mãos e orelha. No entanto, a sensibilidade dos pés (que contém mais de sete mil terminais nervosos) e seu tamanho tornam-nos a área ideal para o trabalho da reflexoterapia.

Fonte: Guillanders, Ann. Guia completo de reflexoterapia: todo conhecimento necessário para adquirir competência profissional. São Paulo: Pensamento, 2008.

Gomagem

imagesGomagem corporal nada mais é uma esfoliação, remove as impurezas e células mortas da pele, promovendo uma renovação celular. Um “pré” procedimento imprescindível para tratamentos estéticos, pois  melhora a absorção dos ativos a serem utilizados durante os tratamentos e sessões posteriores. Ajuda a obter um resultado homogêneo na hora do bronzeamento (artificial ou natural), depilação corporal, para evitar o encravamento de pêlos e para melhor absorção de produtos redutores. Além disso, a técnica é capaz de tirar a aspereza da pele, deixando-a mais macia, e proporcionar o clareamento de machas.

Benefícios: 

A remoção das células mortas, revitalização celular, suavização da pele, preparação da pele para uma melhor penetração dos princípios ativos, deixando sua pele mais hidratada.

Indicações: 
Preparação para o tratamento estético; promover maciez, viço e brilho para a pele. A gomagem é indicada em todos os tratamentos estéticos, pois a mesma deixa a pele mais sedosa e preparada para a melhor penetração de princípios ativos.

Reflexologia: uma excelente forma de promover a saúde do seu bebê!

A reflexologia é a terapia que utiliza a massagem em pontos dos pés e das mãos, a fim de equilibrar as funções do nosso organismo.

Os benefícios terapêuticos e agradáveis da massagem dos pés e das mãos são reconhecidos há muito tempo. Sabe-se que há 5.000 anos, na China, aplicava-se massagem nos pés por compressão.

A reflexologia ganhou força na América no início do século XIX, quando o Dr. William Fitzgerald desenvolveu a “teoria por zonas”, na qual os pés e as mãos são divididas em partes correspondentes aos órgãos, glândulas e músculos do corpo. Essa teoria inspirou a fisioterapeuta Eunice Ingham à elaboração dos mapas dos pés utilizados hoje pela reflexologia.

Essa terapia pode estimular a energia curativa natural da criança, em momentos de crise, ou ainda como prevenção de doenças. A maioria dos bebês não nasce assustada, tímida ou nervosa. Chegam ao mundo livres de desgastes emocionais que, cedo ou tarde, acabam afetando a todos. Assim, a força vital no recém – nascido costuma fluir sem qualquer restrição. Os bebês são extremamente sensíveis a sons, temperaturas e, obviamente, ao toque.

Use a reflexologia desde cedo, proporcionando uma vida saudável aos seus filhos. As crianças que crescem tendo a reflexologia como parte da vida familiar diária terão bem mais resistência a males comuns como tosse, resfriado e problemas gástricos. Mais do que isso, a constante demonstração de carinho por parte dos membros da família ajuda a desenvolver a auto-estima e a autoconfiança, bem como o respeito às necessidades alheias.

Nada é mais angustiante para um pai ou uma mãe do que ver o bebê sofrendo – sem um motivo aparente. Para os choros mais comuns, normalmente problemas digestivos e dentição, a reflexologia é uma forma de tratamento eficaz e inofensiva que pode ser aplicada para garantir alívio ao bebê (e aos pais).

Os bebês e crianças pequenas reagem prontamente à reflexologia. Não só sua força vital é extremamente poderos; suas funções orgânicas também estão perfeitas. Os obstáculos à cura, presentes em muitos adultos devido aos efeitos prejudiciais da exposição a poluentes, uso prolongado de medicamentos ou dieta inadequada, não existem em corpos muito juvenis. Abraçar, acariciar e cuidar do bebê são expressões naturais de alegria por seu bem-estar, um ponto essencial no desenvolvimento do vínculo afetivo.

Em alguns lugares, a massagem total no bebê é parte diária da rotina de muitas mães. Se a reflexologia dos pés se tornar prática comum na vida do bebê, passando-lhe afeto e segurança, ele logo começará a adorá-la.

O pé do bebê é tão pequeno que o trabalho com o polegar ou os outros dedos sobre a sola leva pouquíssimo tempo, a pressão aplicada deve ser leve e delicada, pois a área é sensível e os pés ainda não estão completamente desenvolvidos. Cada pé deve ser trabalhado, por aproximadamente, 5 minutos e é perfeitamente seguro repetir a rotina de hora em hora, se necessário, até o bebê se acalmar e dormir.

Algumas questões que podem ser tratadas e prevenidas com a reflexologia: aliviar traumas de nascimento (se o parto foi demorado, ou o bebê foi retirado com auxílio de fórceps), acalmar cólicas, aliviar o desconforto e a irritação da dentição, diminuir alergias, prisão de ventre, dor de ouvido, problemas na garganta, entre outros.

Fonte: GILLANDERS, A. O Guia familiar para a reflexologia. São Paulo: Manole, 1999. 143p.