Acupuntura Pediátrica

Por Fernanda Fock, Naturóloga e Acupunturista

A Acupuntura pediátrica se difere da acupuntura convencional na forma lúdica de atendimento e no estímulo utilizado para o tratamento na criança e no bebê.

As crianças e bebês normalmente possuem rápida resposta ao tratamento pois a energia Qi (energia vital na MTC e principal veículo de tratamento na Acupuntura) circula mais superficialmente e a energia Yang está aflorada, típica desta fase de vida, e essa também é uma característica que é favorável a aplicação de acupuntura em crianças, pois a energia se move rapidamente e ao menor estímulo efetuado.

Aos menores de 6 anos, a aplicação da Acupuntura não é realizada com agulhas (salvo casos especiais como por exemplo reabilitação) e sim com laser ou sementes e esferas metálicas, o que torna o tratamento indolor.

acupuncture 140A partir dos 7 anos, estudos demonstram que a resposta ao estímulo com agulhas é mais eficiente, porém ainda assim o protocolo de atendimento é diferenciado para a criança. Normalmente são menos pontos aplicados e por menos tempo que o adulto.

A freqüência das sessões varia de acordo com o quadro clínico da criança. Normalmente inicia-se com uma aplicação por semana, passando para a cada 15 dias, uma vez ao mês e até receber alta da queixa apresentada.

Os chineses recomendam a Acupuntura não apenas para tratamento como também para prevenção. Na pediatria o objetivo da prevenção normalmente é diminuir o aparecimento de doenças, fortalecendo o sistema imunológico e o equilíbrio do Qi. Ela atua por exemplo prevenindo o surgimento ou diminuindo a intensidade de doenças respiratórias como gripe, resfriados e viroses.

Além da prevenção de doenças, a Acupuntura em crianças e bebês pode ser utilizada como coadjuvante no tratamento de alergias, bronquite, asma, congestão nasal, baixa imunidade, distúrbios do sono e insônia, cólicas, pesadelos e terrores noturnos, ansiedade, enurese noturna, problemas digestivos e dor abdominal, indigestão e refluxo, náusea e vomito, constipação intestinal e diarreia, erupções cutâneas, eczema, infecções de ouvido, dor de dente, dores em geral, déficit de crescimento, dificuldade de aprendizado, hiperatividade, dentre outros.

Chicory: o floral para pessoas possessivas e dependentes

O Floral de Bach Chicory relaciona-se com os potenciais da alma ligados à maternidade e ao amor desinteressado.

No estado negativo de Chicory, estas qualidades se tornam negativas, concentrando-se egoisticamente no eu. A pessoa se torna emocionalmente dependente do outro. São pessoas demasiadamente atentas às necessidades dos outros, tendem a cuidar excessivamente das crianças, familiares e amigos, encontrando sempre algo a ser corrigido.

As pessoas no estado negativo de Chicory costumam esperar muito dos outros. Um exemplo clássico é o da “supermãe”, que deseja ter os filhos sempre por perto, para interferir, organizar, criticar e dirigir como disciplinadora rigorosa. Nem todo filho acha fácil libertar-se de um amor de mãe tão possessivo.

Muitas crianças também precisam de Chicory, é fácil perceber, pois estão sempre chamando a atenção da família.

A lição do floral Chicory é o amor desinteressado, sem nada esperar em troca, é o arquétipo da “mãe universal”.

Sintomas-chave do tipo Chicory: Atitude possessiva, interferindo excessivamente e manipulando secretamente.

Reflexologia

Cada área ou função do corpo é representada por um ponto reflexo correspondente nas extremidades, principalmente os pés, que contêm feixes de terminais nervosos ultra-sensíveis. Ao estimular esses pontos, a reflexologia liberta a tensão, elimina bloqueios e ajuda o corpo a combater inúmeras disfunções. Compreender que os pés são um “mapa” do corpo inteiro é fundamental para a reflexologia.

Os pés refletem por inteiro nosso estado de saúde. Dotados de 26 ossos, 100 ligamentos, 20 músculos e uma intricada rede de nervos e vasos sanguíneos, os pés podem nos fornecer abundante informação sobre nossa saúde física, metal e emocional.

Do mesmo modo, a forma como tratamos nossos pés influencia não apenas o seu próprio desempenho como o funcionamento geral do corpo e da mente.

Trabalhando nos pontos reflexos dos pés, é possível estimular, por intermédio dos canais nervosos, qualquer órgão, função ou parte do corpo que esteja tensa, congestionada ou comprometida. Se eliminarmos a tensão, ajudamos o sistema a desvencilhar-se de toxinas quando necessário, reduzimos a dor e estimulamos o corpo a curar-se por si mesmo.

A pressão, aplicada nos pontos reflexos sensíveis dos pés, constitui um estímulo, que funciona como agente ou fator capaz de suscitar uma reação nos tecidos e induzir uma reação fisiológica.

Na reflexologia o estímulo, por contato ou pressão, desencadeia um impulso eletroquímico que altera os processos nervosos, transmitindo uma mensagem por meio das fibras nervosas. Os impulsos nervosos podem viajar a uma velocidade média de 435 km por hora. Pode-se dizer que o nosso corpo é, basicamente, uma usina eletroquímica em funcionamento dia e noite.

Pontos reflexos também são encontrados em outras extremidades do corpo: por exemplo, mãos e orelha. No entanto, a sensibilidade dos pés (que contém mais de sete mil terminais nervosos) e seu tamanho tornam-nos a área ideal para o trabalho da reflexoterapia.

Fonte: Guillanders, Ann. Guia completo de reflexoterapia: todo conhecimento necessário para adquirir competência profissional. São Paulo: Pensamento, 2008.